Seu navegador está desatualizado!

Atualize o seu navegador para uma melhor visualização do site. Atualizar agora!

X

Vamos
conversar?

  • Fale conosco
Trabalhe conosco
Canal confidencial

A partir da década de 80 as mudanças nos hábitos de consumo, a popularização de embalagens e produtos descartáveis e o crescimento da geração de resíduos geraram o despertar da conscientização da sociedade brasileira quanto à necessidade de preservação ambiental.

 

Em um desejo voluntário de encontrar uma solução para as embalagens, profissionais da indústria se reuniram e começaram a discutir alternativas para a reciclagem das embalagens descartadas. Após uma série de estudos e a criação de uma legislação, o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV) nasceu em 14 de dezembro de 2001.

 

A contribuição do inpEV não é só para a agricultura, mas também para a sociedade brasileira, através de um sistema que é uma referência mundial em logística reversa das embalagens de resíduos químicos.

 

Neste texto você vai saber mais sobre:

 

• O que é logística reversa.

• inpEV e sustentabilidade.

• inpEV e Agrosafety.

 

Continue a leitura para saber mais sobre sustentabilidade e inovação no agronegócio.

 

O que é logística reversa

Antigamente, a maioria dos agricultores não tinham solução de descarte. Por isso, seguiam a recomendação de abrir valas, impermeabilizar, enterrar e queimar as embalagens. Mas isso era impraticável. Se hoje a prática continuasse, não teríamos mais áreas de plantio no Brasil.

 

A logística reversa de embalagens é um processo obrigatório para todo produtor rural que faz uso de defensivos agrícolas. O agricultor tem a obrigação de lavar, inutilizar, armazenar e devolver as embalagens vazias aos canais de distribuição ou cooperativas agrícolas.

 

As indústrias de fabricação, representadas pelo inpEV, recolhem estas embalagens e dão a elas um destino, seja transformando-as em novas embalagens ou incinerando.

 

INPEV e sustentabilidade

Antes da logística reversa, as embalagens ficavam expostas nos campos, causando preocupações de potenciais contaminações dos solos e rios. Afinal, elas ficavam expostas, muitas vezes, de maneira inadequada. Em alguns casos, alguns agricultores acabavam até mesmo reutilizando as embalagens.

 

De 2002 até o momento o Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias já retirou mais de 630 mil toneladas de embalagens dos campos. A retirada ajudou a reduzir a emissão de mais de 820 mil toneladas de dióxido de carbono na atmosfera. É como se o inpEV tivesse ajudado a evitar o corte de mais de seis milhões de árvores.

 

Leia também: Entenda como o PARA realiza a análise de resíduos.

 

A contribuição do Instituto se estende à diminuição da extração de recursos naturais e redução do uso de energia. Quando se parte para reciclar e produzir uma embalagem de uma resina já existente, economiza-se uma série de recursos.

 

No balanço da ecoeficiência, com números como a redução de 820 mil toneladas de dióxido de carbono (CO2), é como se o Instituto tivesse deixado de explorar mais de um milhão e oitocentos mil barris de petróleo.

 

Saiba mais: Análises de água para a indústria de alimentos.

 

INPEV e Agrosafety

O inpEV nasceu do sonho de se tornar um centro de excelência e referência. Desde o planejamento focou em questões do uso seguro do produto, do nascedouro até o ciclo de vida.

 

Sendo assim, o Instituto conta com a parceria da Agrosafety para o monitoramento dos resíduos nas embalagens de defensivos e o monitoramento das normas de logística reversa e tríplice lavagem. O desenvolvimento e a tecnologia estão em constante evolução, fortalecendo a parceria entre inpEV e Agrosafety.

 

Continue acompanhando nosso blog para saber mais sobre monitoramento de resíduos químicos.

Glauco Damasceno
Leia também